Google certamente representa um ponto de referência também para dispositivos inteligentes projetados para uso doméstico, como alto-falantes inteligentes equipados com Google Assistant.

Esses dispositivos eram conhecidos como Página inicial do Google e atualmente são conhecidos como Google Nest. E você deve se lembrar que esses dispositivos foram os protagonistas de uma história curiosa que envolveu a Sonos no início deste ano. Estamos falando sobre a ação movida pela Sonos contra o Google.

Para resumir, a Sonos exigiu que o Google removesse a possibilidade de inserir alto-falantes inteligentes em grupos de dispositivos dentro do seu ambiente doméstico. Isso ocorre porque a Sonos acreditava que tinha patenteado a funcionalidade e, portanto, o Google não poderia usá-la para seus usuários sem acordo prévio. O juiz concordou com a Sonos, condenando o Google a uma multa de 32,5 milhões de dólares.

Mas nas últimas horas houve uma reviravolta na história: O tribunal dos EUA responsável pelo caso derrubou o primeiro acórdão, afirmando que na realidade, já em 2014, 5 anos antes de a Sonos lançar o recurso patenteado, o Google propôs um recurso que era essencialmente o mesmo que a Sonos patenteou posteriormente.

Portanto, o juiz concluiu que na verdade a Sonos não foi de qualquer maneira danificada, visto que ela nunca esteve em condições de fazê-lo, alegando a exclusividade da invenção.

E isso representa boas notícias para todos nós que temos pelo menos um dispositivo Nest ou Google Home em casa, já que o Google agora poderá reintegrar a função de inserir dispositivos em grupos dentro da área residencial. BigG já afirmou que dentro de 48 horas irá liberar o recurso para todos. Enquanto isso, a Sonos disse que irá recorrer.